BrasilDestaqueItabirito

Matheus Baldi fala do novo quadro na Record News e também de Ivete, Anitta, Lula, Temer e Alex Salvador

Matheus Baldi (26) é um batalhador pelos seus sonhos. Ele nasceu em Belo Horizonte, mas é itabiritense de coração. Em Itabirito (MG), passou grande parte de sua vida. A “Cidade Encanto” é onde moram seus familiares e é, sem dúvida, a localidade brasileira que mais torce por ele.

O contato com Matheus foi rápido. Primeiramente, via Facebook, a entrevista, então, foi marcada. Depois, as questões foram repassadas por escrito e respondidas por meio de áudio.

Matheus fala de Ivete Sangalo, Anitta e Wesley Safadão. Foto: divulgação

Como a intenção do novo site é começar com pé direito. Dentre outros nomes, Matheus Baldi foi o escolhido para a entrevista de estreia. Afinal, trata-se do garoto prodígio que em 4 anos de carreira montou um site, um canal no YouTube, ganhou um programa na TV Alterosa (afiliada SBT Minas) foi para a Record News em São Paulo.

Não houve restrição de assuntos. Ele falou do prazer que é entrevistar Ivete Sangalo e da dificuldade que é conversar com Anitta. Políticos como Lula, Temer, Dilma e Alex Salvador também foram mencionados. E, como não podia deixar de ser, ele contou um pouco do novo quadro que estreou em seu programa “Que Beleza!”.

Luzes, câmeras, entrevistas com celebridades, beleza, tendências etc. Esse é o mundo de Matheus. Então, quer dizer que a vida dele, em São Paulo, na Record News, é glamour 24h? A resposta para essa e outras questões, o internauta confere na entrevista a seguir:

Impacto Atual: Matheus, como será o novo quadro em seu programa “Que beleza!” na Record News?

Matheus Baldi: Estreamos no domingo (6) o Bio Extratus Reality, um quadro com bloqueiras, que tomará de 40% a 50% do programa. É um projeto que tenho muito carinho, foi desenvolvido por mim. As meninas que fazem sucesso na internet estarão dando dicas de beleza, cuidados com a saúde etc. A cada temporada, de seis em seis meses, a gente estreia um quadro novo no “Que Beleza!”.

Como é sua vida em São Paulo? É glamour 24h? Você anda de ônibus ou metrô, de vez em quando, por exemplo?

É uma loucura. Não é glamour 24h. A gente trabalha muito. Existe uma pressão pela audiência, para se fazer um programa interessante, agradar à direção da emissora, aos telespectadores. Aqui (na Record News, em São Paulo) a gente tem de ser extremamente workaholic. É muito mais trabalho do que antes (quando ele vivia em Minas). Glamour é na hora de gravar, situação em que todo mundo está arrumadinho. É a parte gostosa. Mas existe também a parte de produção. Além disso, sou roteirista do programa. Eu gosto de me envolver. Trabalho com as meninas da produção. Eu tenho duas produtoras que me ajudam muito. As meninas são ótimas. Eu tento participar ao máximo. Acompanhar tudo de perto. Estar na reunião com a equipe. Isso eu acho que é a parte que público não vê muito. Sobre como eu me desloco em São Paulo, eu nunca andei de ônibus ou metrô. Ando bastante a pé. Eu moro no Jardim Paulista. A TV é na Barra Funda, mas os salões em que gravo são muito perto de minha casa. E o escritório da TV fica a 10 minutos de onde moro. Faço tudo a pé ou, às vezes, de Uber.

Cite uma vantagem e uma desvantagem de São Paulo.

Vantagem é que tudo aqui é rápido. Você sai às vezes para um jantar, uma festa, já faz contato, troca figurinha, expande horizonte, aprende muito e faz contato profissional. Às vezes, mesmo sem querer, você fala de trabalho. A desvantagem é que as relações são muito de trabalho, muita correria, uma vida mais estressante. O trânsito e a rotina são mais cansativos. Em Minas, as pessoas são mais calmas,  são mais afetuosas, no sentido de querer viver cada momento. E em São Paulo, não dá muito tempo de viver este tipo de vida.

Você fala muito de beleza e saúde. Isso é somente pauta ou você se preocupa com a sua saúde no dia a dia. Você malha? Come comidas saudáveis? Bebe ou dorme pouco?

Eu falo de beleza e eu me preocupo com isso no meu dia a dia. Inclusive, voltei a “treinar” agora, faz uma semana, e voltei a fazer dieta. Eu gosto de me cuidar, mas eu gosto muito de comer. Como muito errado porque amo doce. Então, é sempre uma luta comigo mesmo. Eu penso muito na minha velhice. Quero envelhecer com saúde. Eu me cuido na medida do possível. Também não vou ao extremo. Gosto de beber nos fins de semana. Durmo bastante. Tenho muito sono e tenho de dormir 8 h por dia para ficar de bom humor.

As pessoas o reconhecem pelas ruas de São Paulo? Como você avalia a força da Record News especificamente na capital paulista?

Já me reconheceram no supermercado, na rua e em eventos de beleza. Mas em Minas, eu era muito mais reconhecido em shoppings, por exemplo. E em Itabirito é muito, muito, muito mais.  A gente conhece todo mundo em Itabirito. Aqui já aconteceu três vezes de eu ser reconhecido. As pessoas pedem “transformação” e falam a respeito do programa. Isso é legal. É uma conquista, São Paulo é muito grande.

Recentemente, a Record News pegou o canal 19 na Sky, ficando mais próxima das grandes emissoras abertas. Isso mudou a audiência da emissora? Você tem essa informação?

Aqui (em São Paulo) não é canal pago (a Record News). É o canal 42. Em algumas capitais, também é canal aberto. Com o sinal digital, o alcance aumentou muito, a audiência melhorou. Contudo, trata-se de um canal de notícias para um público que gosta de notícia. O grande foco da TV é a credibilidade que ela tem no mercado tanto de publicidade quanto no que diz respeito aos telespectadores. Nosso público se interessa em crescer através da informação. A gente conversa com um público diferenciado, que gosta de receber informação e estar atualizado. A mudança de canal (na Sky) foi boa sim. Fiquei sabendo que houve e a gente até divulgou. O que acontece: isso favorece sim, mas ao mesmo tempo a gente está mais perto das grandes emissoras, e a concorrência é muito pesada porque além de elas serem abertas (Globo, SBT, Record TV e Band, por exemplo), têm um investimento em publicidade que é muito maior (que o da Record News). Eles têm muito mais grana para fazer um programa. Somos pequenos se comparados às grandes emissoras. Por exemplo, a Globo tem uma megaestrutura e até mesmo a própria Record TV tem uma estrutura muito maior se comparada à Record News. Contudo, nós temos nossa representatividade e conversamos com um público (diferenciado), e eu gosto muito disso.

Saudades de Itabirito? O que você mais sente falta?

Sim, sinto saudade de Itabirito. Foi onde tudo começou. Tenho (em Itabirito) amigos, pessoas queridas, gente que eu gosto. Os meus pais e meus irmãos moram em Itabirito. Quando estou aí é outro ritmo. É bem mais calmo. Sinto falta dos meus amigos, dos meus pais e familiares.

Como foi sua saída de Itabirito para BH (TV Alterosa), e sua saída da afiliada do SBT para a Record News?

Tudo se deu por conta da internet. Comecei meu canal no YouTube e com o “Sou Notícia” (site de Itabirito). O canal chegou a mais de 1 milhão e 200 mil visualizações. A gente foi crescendo e chamando a atenção. A TV (Alterosa), então, me fez o convite para eu apresentar o programa (Interessa!). Depois, a Record News reformulando a grade e preparando novidades me convidou (…). A gente conversou, e tivemos a oportunidade de “ajustar os ponteiros”. Foi muito rápido, em menos de um mês, eu fiz a mudança de emissora, mas o meu contrato com a TV (Alterosa) permitia que houvesse essa abertura. Eu avisei com antecedência e eu cumpri o contrato até o fim na Alterosa. Minha saída foi maravilhosa no sentido de que eu construí amigos. Foram as pessoas que me deram oportunidade. Foi a casa onde tudo começou. Fui para a Record News pela oportunidade de ser um programa nacional e financeiramente melhor, mais projeção, mais espaço e uma oportunidade de crescer.

Você está em meio a celebridades durante muito tempo. Quem, neste mundo, você considera “gente boa”? E quem não é tão “gente boa” assim?  Peço, por favor, para que você cite nomes.

Ivete (Sangalo) é uma pessoa que eu amo entrevistar sempre. Já gravei com ela quatro vezes e foram maravilhosas. Ela é descontraída, os bastidores são legais, a gente pode perguntar tudo. É brincadeira, comédia, alegria! Gravei também com Wesley Safadão e adorei. Ele é muito do bem, energia boa. Sempre falo que Wesley Safadão e Ivete (são os melhores para se entrevistar). E talvez a mais difícil seja Anitta. Já ouvi, inclusive, outros jornalistas dizerem isto. Ela foi recentemente a Itabirito, o pessoal da imprensa e quem foi ao camarim comentaram a respeito do jeito dela. Anitta é muito armada, preparada e muito rápida. Ela tem um jeito de dar entrevista que é muito armado. Para o jornalista, não é tão fácil tirar ela da “zona de conforto”. Talvez não seja nem conforto, mas deve ter a ver com o preparo dela (…). Mas é bom (entrevistar Anitta) porque é desafiador.

Quando o assunto é política (nacional e de Itabirito) qual é a sua opinião?  Fale, por exemplo, de Lula, Fernando Henrique Cardoso (FHC), Michel Temer e Alex Salvador (prefeito de Itabirito).

Fernando Henrique Cardoso, eu o admiro. Foi um cara que fez muito bem para a economia do país. Um cara correto. Nada se fala de muito escândalo com relação à história de FHC. Eu era muito novo quando ele governou, mas escuto falar bem dele. Queria ter vivido mais esta época (de FHC) como presidente para entender melhor como foi. Sei que há muita gente que o critica, mas pelo que eu me lembro e vendo a leitura de hoje, eu o vejo como um bom presidente. Sobre o Lula, ele foi um ótimo presidente no primeiro mandato. Entrou para a história do país, como um cara que se preocupou com o social, em acabar com a fome. O problema é que o PT foi abrindo espaço para brechas com relação à corrupção e grandes esquemas. E a partir do segundo mandato, Lula começou a declinar. O governo da Dilma Rousseff (ex-presidente indicada por Lula), por exemplo, não foi bom. Apesar de admirar a trajetória do Lula, não votaria nele hoje. O (Michel) Temer, acho que é um cara bem intencionado, mas que gosta muito do poder, que faz tudo para estar no comando. O que tiver de fazer, ele vai fazer. Gosto da política econômica de Temer executada por Henrique Meirelles (ministro da Fazenda). O Temer, acredito, queira resolver os problemas (do país). Mas têm coisas que ele faz que são polêmicas, como a distribuição (desenfreada) das emendas (parlamentares). Isso é muito pesado para um processo como este (de investigação ou não do presidente). Não se pode misturar as coisas. Então, o “tudo pelo poder”, às vezes, me assusta com relação a Temer. Já o Alex Salvador  faz “a política da boa vizinhança”. Existe uma oposição (em Itabirito), mas não há ódio (contra Alex). Não é uma coisa pesada a oposição ao Alex. Acho que ele vem fazendo um bom governo. Quando chego à cidade, vejo que ela está bem cuidada. (Na equipe de Alex) há uma parte que é técnica e outra nem tanto. O ideal que fossem todos técnicos. Mas isso é normal na política. Eu trabalhei na política de Itabirito e, para mim, foi horrível. Eu detestei trabalhar com política, mas foi uma experiência pessoal que me levou a perceber que eu não tinha habilidade para isso. Você tem de ter jogo de cintura. Isso me afastou da própria política. Principalmente da política de Itabirito, eu criei uma distância. Não quis viver essa história, mas quando você mora em uma cidade, é inevitável. O que me incomoda é saber que têm pessoas que faz tudo para estar em meio à política (itabiritense). Em especial uma pessoa que faz parte do governo do Alex, que tem seu reconhecimento, mas só transita porque faz questão de estar no poder. Não é por afinidade, por ideologia, é mais por necessidade. Isso é uma pena porque política podia ser mais de técnicos. (Apesar disso), acho que o governo vai bem.

Matheus na Record News. Foto: divulgação

O Sou Notícia (“antigo” site de Matheus) faz parte da história recente do jornalismo de Itabirito. Contudo, aparentemente, depois que você deixou o comando do “Sou”, o portal não mais tem feito matérias. Isso significa uma perda não só para o site em si, mas para toda a população da Região dos Inconfidentes (que perdeu uma fonte de informação). Como você vê isso?

Ele (o Sou Notícia) está desatualizado atualmente. Isso não é muito bom. Eu sinto sim porque (o site) foi criado com muito carinho. Foi um filho que foi preparado por sete meses. Foi sonhado e desejado. Mas eu acho que em breve, ele voltará atualizado. A minha mudança para São Paulo tornou inviável a continuidade minha no site. Mesmo quando eu estava na Alterosa já era muito difícil. Depois que me mudei para São Paulo, ficou praticamente inviável. Espero que ele volte. Deve voltar sim. Está passando por processo de reformulação.

Você poderia dizer por quanto e para quem exatamente foi vendido o Sou Notícia?

Por uma questão de acordo, não posso falar sobre o valor da venda e nem sobre quem o comprou porque, na verdade, está em processo de definição de quem vai gerir o site. O processo ainda está se concretizando, eu não posso falar uma vez que ele não foi concretizado. A minha passagem de dono do Sou Notícia vai acontecer com o decorrer do tempo.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Close

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios