DestaqueItabirito

Laudívio Carvalho se compromete a trabalhar pela segurança de Itabirito e ataca governador Pimentel

Segundo o vereador de Itabirito Ricardo Oliveira (PPS), autor do requerimento que pediu a Audiência Pública com a presença do deputado Laudívio Carvalho, as ações a serem desenvolvidas são:

Lutar pela reativação do Conselho Municipal de Segurança Pública.

Com o apoio do parlamentar, vereadores lutarão pela criação de uma delegacia regional em Itabirito. Isso para que as ocorrências policiais após o expediente, nos fins de semana e feriados, não precisem ser levadas para Ouro Preto.   

O deputado se propôs a destinar os benefícios de emendas parlamentares para melhor equipar a Guarda Civil Municipal de Itabirito.

Um dos maiores fenômenos de audiência da história do rádio em Minas Gerais, Laudívio Carvalho, da Rede Itatiaia, esteve em Itabirito em Audiência Pública, na Câmara de Vereadores, sexta-feira (24), para discutir a segurança municipal. Atualmente, Laudívio é deputado federal pelo Solidariedade. No evento, ele criticou o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), dizendo que o petista não cumpriu com compromissos feitos para melhorar a segurança no estado. O deputado ainda se comprometeu a destinar emendas parlamentares para o aprimoramento dos equipamentos da Guarda Civil Municipal de Itabirito.

“O governador de Minas não cumpriu as promessas que fez durante a campanha. Ele prometeu reforçar as forças de segurança do estado. Reformar quartéis, abrir concurso e aumentar efetivo da PM. Ele (o governador) não fez absolutamente nada. Promessa a gente faz para santo. Para homem, a gente faz é compromisso. E o governador, não cumpriu seus compromissos”, disse o deputado.

Laudívio acredita que o governo brasileiro não aceitou o que foi decido por meio de referendo popular em 23 de maio de 2005. “Quem já possuía arma, o pai de família ou o homem do campo, por exemplo, teve de entregá-la. Desrespeitando o direito a defesa do cidadão de bem”, disse o deputado. Também por causa desse descontentamento, o parlamentar se tornou o relator do “Estatuto do Controle de Armas de Fogo”, de 2015.

Galeria ficou lotada de estudantes. Foto: Romeu Arcanjo/Impacto Atual

O radialista afirmou que a Polícia Militar mineira é a melhor do Brasil, e chamou os PMs de “guerreiros”. Entretanto, salientou que as policias de um modo geral estão em desvantagem contra o crime. “Segurança é mais que colocar policiais nas ruas. O bandido muda o ‘modus operandi’ (modo de operação). Ele comete o crime e a policia chega depois. Isso não é demérito para os policiais. É porque os grupos de bandidos conversam entre si, se organizam. Eles têm até estatuto. A moeda de troca é sangue”, disse o jornalista parlamentar.

O deputado lamentou as ausências de representantes do comando da PM de Itabirito e do prefeito Alex Salvador (PSD). “Gostaria que o prefeito e o comando da Polícia Militar de Itabirito estivesse aqui. As questões a serem debatidas têm de estar acima de qualquer diferença”, disse Laudívio. Entretanto, nem o Ministério Público nem o Judiciário mandaram representantes.

O deputado com padre Miguel. Foto: Impacto Atual[

Recado aos mais novos

Aos jovens que lotaram as galerias da Câmara durante o evento, o deputado disse: “Não experimentem maconha, cocaína ou crack. Vocês serão eternos escravos, e pagarão o vício com seu sangue”, salientando que traficantes compram dívidas matando seus devedores.

Decisão na hora de saber quem pode ou não ter uma arma

Segundo Laudívio, o que pesa no momento de se ter uma arma no Brasil é a “discricionariedade”. “O delegado da Polícia Federal decide, por exemplo, se um padre precisa ou não de uma arma. A reposta é “não”. Afinal, ele é padre. O pastor? Precisa? Não mesmo! E um jornalista? Pra que ele precisaria? E, com isso, não permite que o cidadão de bem tenha uma arma para se defender”, acredita o radialista.

Bombeiros e GMs marcaram presença. Foto: Impacto Atual

De acordo com o parlamentar, há também o alto preço das armas no país e todas as demais burocracias para se ter uma. “Enquanto o crime vai se organizando, os bandidos buscam as armas nos quartéis, por exemplo, porque eles são ousados. E para ele (o bandido) não faz diferença”, afirmou.

Segundo o deputado, existe diferença entre o bandido e criminoso. “Criminoso, todo mundo pode ser. Quem atropela uma pessoa em um acidente de trânsito, por exemplo, é um criminoso. Já o bandido se prepara para cometer o crime. É bem diferente”, afirmou.

Padre Miguel

O padre Miguel Angêlo Fiorillo, da Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem, ocupou a mesa principal e fez um discurso que empolgou o público. Ele começou pedindo um minuto de silêncio em memória a Tarcísio Bretas. Segundo o pároco, o empresário foi um expoente nas discussões e na evolução da segurança pública em Itabirito durante determinada época.

O padre afirmou que o Conselho Municipal de Segurança, que funcionou de 2001 a 2007, foi extinto por “perseguição política”.

Ele não citou nomes de prefeitos, mas sabe-se que quando extinto tal conselho na cidade, o presidente era o próprio pároco, e o prefeito de Itabirito era Waldir Silva Salvador de Oliveira (o Juninho). Ambos são históricos adversários na política itabiritense

O padre também pediu, pela segunda vez em audiência pública da cidade, que fosse criado em Itabirito o Conselho Municipal Antidroga.

Guarda Municipal de Betim e pastor Anderson

Autoridades na hora do Hino Nacional Brasileiro. Foto: Impacto Atual

Questionado pelo pastor Anderson Martins (da Assembleia de Deus) sobre qual era a dificuldade para se armar a Guarda Municipal de Itabirito, o deputado pediu ao comandante da Guarda de Betim, Anderson Reis, que respondesse ao religioso.

Segundo o GM betinense, existem leis que definem, de acordo com o número de habitantes de uma cidade, quais os municípios que podem ou não ter uma guarda armada, bem como uma série de dificuldades, com base no que exigem o Exército Brasileiro e a Policia Federal, para se armar qualquer Guarda Civil Municipal.

Secretários da Prefeitura

O secretário de Segurança e Trânsito, Carlos Henrique Franca (conhecido como Luke), citou melhorias na GM que se deram na atual gestão da Prefeitura de Itabirito, entre elas: coletes balísticos, armas de choque e spray de pimenta. Ainda segundo Luke, já nas próximas semanas, uma nova viatura estará à disposição da guarda.  

GMs de Betim e Itabirito posam para foto com o deputado. Foto: Impacto Atual

Por sua vez, o secretário de Urbanismo, Marco Aurélio Rocha, salientou algumas questões de segurança no município. Disse que a Delegacia de Policia Civil de Itabirito está em um local improvisado cedido pela Prefeitura e que essa polícia perdeu a antiga delegacia onde foi colocado no lugar um presídio, sem o aval da população.

O deputado concordou e respondeu ao secretário que presídios têm de ser construídos no mato. “Na zona rural, para dificultar fugas e resgates de presos”, disse.

Além dos já citados, estiveram presentes na audiência, os vereadores de oposição Rose da Saúde, Léo do Social e Rocha do PT; e de situação, Geraldo Mendanha; o comandante da Guarda Municipal de Itabirito, Antônio Alberto Oliveira; a nova comandante do Corpo de Bombeiros de Itabirito, Leidiane Gonçalves; o presidente do Sindicato dos Escrivães de Polícia de Minas Gerais, Bertone Tristão e o mestre de cerimônias, professor Ricardo Francisco.

Cfem

Em conversa com o deputado, o vereador Ricardo Oliveira fez questão de frisar que Laudívio votou a favor da mudança na Cfem (o imposto do minério) que vai aumentar a arrecadação de Itabirito em R$ 30 milhões anuais já no próximo ano.

“Ficou parecendo que somente a situação em Itabirito trabalhou para que houvesse esse ganho para o município. Nós da oposição também mobilizamos nossos parlamentares federais a favor da cidade”, disse o vereador.

A informação foi confirmado pelo próprio Laudívio.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Close

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios